Historial  |  Corporações   |  Tipologias  |  Info  |  Memória

Corporações // Apresentação sumária dos CBs (enfoque no período)

• BVL       Bombeiros Voluntários de Lisboa

• BVA      Bombeiros Voluntários da Ajuda

• BVL      Bombeiros Voluntários Lisbonenses

• BVCO    Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique

• BVCM   Bombeiros Voluntários da Cruz de Malta

• BVBO       Bombeiros Voluntários do Beato e Olivais (designação desde 2010: Bombeiros Voluntários do Beato)

• BVCR       Bombeiros Voluntários de Cabo Ruivo

BVL - Bombeiros Voluntários Lisbonenses

 

Fundado em 1910, este CB resultou de cisão ocorrida no seio dos BV de Lisboa, em cuja vizinhança imediata se situaram aliás as respectivas instalações iniciais, na parte alta da cidade antiga. Posteriormente os BV Lisbonenses viriam a estabelecer quartel (único) no centro de Lisboa, em duas localizações sucessivas, muito próximas a última das quais projectada e detida pela Corporação.

 

Uma das características distintivas deste CB é a sua permanente dinâmica de inovação no que respeita a meios, designadamente veículos motorizados. Embora numa fase inicial fossem utilizados veículos ligeiros cedidos pelos seus membros, a par-num curto período embora-de meios não-automóveis, rapidamente os BV Lisbonenses adquiriram e operaram viaturas automóveis próprias.

 

Salienta-se em particular o facto de terem sido os BV Lisbonenses o primeiro CB de Lisboa: a) a operar uma viatura de tipologia APS (marca Ferbeck, em 1910); b) a operar um APS com depósito de água e ainda carretel de mangueira rígida + moto-bomba acoplada (equipamento de origem).

 

Esta última viatura (marca Delahaye, de 1919; entregue em 1921), projectada segundo o padrão françês Premier Secours, esteve em serviço activo até 1957 e em reserva até 1961. Foi reconhecido na época como uma unidade altamente inovadora e de excelente desempenho operacional, em termos de velocidade, fiabilidade e capacidade de bombagem. Encontra-se actualmente no Museu Automóvel do Caramulo, no centro de Portugal.

 

Seguir-se-iam muitas outras viaturas motorizadas, com carroçamento funcionalmente específico, seja de origem ou criteriosamente transformadas (vide, nesta plataforma, exemplos de projectos de adaptação elaborados pelo próprio CB). Um bom exemplo de permanente actualização de meios respeita ao magnífico APS Ford F-750 Big Job inaugurado em 1956, altamente inovador para a época e rigorosamente igual ao mais moderno equipamento do BSB entrado ao serviço deste CB no mesmo ano. Os Anos 40 e 50 caracterizaram-se aliás por especial dinâmica de reequipamento, incluindo meios vocacionados para acções de socorro no âmbito da Defesa Civil (ao tempo: resposta a possíveis ofensivas bélicas com engenhos químicos ou incendiários).

 

Em linha com o padrão que sempre caracterizou o âmbito operacional dos Bombeiros Voluntários em Portugal, o Serviço de Saúde (atendimento e transporte de doentes e feridos, incluindo em situações de alteração grave da ordem pública) teve desde o início um lugar de destaque nos BV Lisbonenses, a par das intervenções de combate a incêndios e outras operações de socorro. As referências existentes indicam que, desde muito cedo, o Serviço de Saúde dos BV Lisbonenses dispôs de meios técnicos especializados, incluindo uma unidade automóvel para apoio sanitário em teatro de operações (de 1911 ou data anterior), tendo a primeira AMT (conceito inovador à época) entrado ao serviço em 1915.

 

Mais tarde (anos 60) o elenco de viaturas passou a integrar um completo PSM-Posto de Socorros Móvel sobre chassis Citroën H (também dispuseram deste tipo de meios os BV da Ajuda, de Campo de Ourique e da Cruz de Malta). Este CB, mediante Aliança protocolada com a CVP-Cruz Vermelha Portuguesa, é o único CB em Portugal que, desde há longos anos, pode utilizar o respectivo distintivo internacional nas suas operações e veículos (vide imagens das AMs nesta plataforma).

 

Diversas viaturas dos BV Lisbonenses com características ou referências de algum modo invulgares no universo dos CB em Portugal foram: a) um furgão especificamente afecto a funções de Defesa Civil, designadamente em contexto de guerra química (anos 40); b) uma AM adaptada a partir da viatura (Buick) acidentada onde perdeu a vida em 1943 o ex-Ministro das Obras Públicas, Duarte Pacheco (anos 40); c)uma viatura ligeira da conceituada marca Rolls Royce (auto de transporte de pessoal, mais tarde convertido em APS), caso único, quanto à marca, nos CB de Lisboa (anos 40); d)uma AMT Mercedes Benz permitindo o transporte simultâneo de 4 pacientes deitados e 1 sentado (anos 60), caso único em Portugal fora do âmbito militar.

 

Em anos posteriores a aquisição (em substituição ou acréscimo) de viaturas automóveis prosseguiu a um ritmo que é raro de encontrar no conjunto dos CB voluntários em Portugal. Embora o espólio do pequeno museu privativo dos BV Lisbonenses não contenha em si mesmo nenhuma viatura, o APS ligeiro Delahaye acima referido encontra-se, ainda hoje em bom estado de conservação (embora sem a estrutura de escadas), no excelente Museu Automóvel do Caramulo em Portugal.

 

Graças a um arquivo bem organizado, que é parte do espólio museológico deste CB e ainda ao contributo da LBP, foi possível colocar nesta plataforma um considerável número de imagens (e suas referências, sempre que possível) respeitantes à evolução dos meios automóveis dos BV Lisbonenses no período 1930-1979.

 

Para efeitos de articulação com o então BSB a este CB foi atribuída a designação de 3ª Secção Auxiliar de Incêndios (da cidade de Lisboa).

 

Referª 1:  José F.R.F. de Sousa, et al (Coord.); Cem Anos 1910-2010. AHBVL & Sempre CA, 2010

Referª 2: F. H. Santos (Coord.); Bombeiros Portugueses-seis séculos de história (2 vols).SNB/LBP, Lisboa 1995

Referª 3: site http://www.bvlisbonenses.pt/index.php/veiculos/museu

Referª 4: blogue http://bvlisbonenses-pmacieira.blogspot.pt/

 

© LIS50 | 2016  50 anos de veículos automóveis dos Bombeiros de Lisboa-de 1930 a 1979 // (iniciativa privada, de âmbito histórico, sem fins lucrativos)Por razões de rigor histórico aceitam-se e agradecem-se todos os contributos válidos, institucionais ou individuais, tendentes a complementar ou a aperfeiçoar os elementos factuais e as imagens aqui constantes - lis50.info@gmail.com